Notícias

Todos contra Belelli em Caldas Novas. Mas eleitores querem é remoção do estilo Magal de governar

Todos contra Belelli em Caldas Novas. Mas eleitores querem é remoção do estilo Magal de governar

access_time 3 semanas ago

Eleitores do município podem ter colocado o militar na dianteira para evidenciar que estão insatisfeitos com as figuras tradicionais da política local

Se a eleição fosse hoje, o prefeito de Caldas Novas seria, provavelmente, o tenente-coronel Carlos Eduardo Belelli, do PSL. Posicionado, com um discurso forte pró-segurança, o militar é apontado como favorito.

Carlos Eduardo Belelli: pré-candidato do PSL | Foto: Reprodução

Entretanto, devido ao discurso radical, que assusta as elites e pode acabar assustando a classe média da cidade, pode acabar, durante a campanha, se desidratando. De cara, até por ser listado como favorito, será o que mais criticado. Como tem estopim curto, tende a cair nas armadilhas habilmente plantadas pelos adversários. Se cair no jogo dos rivais, perdendo a compostura, pode acabar caindo em desgraça, em termos eleitorais.

A respeito de Caldas Novas, ao posicionar Belelli em primeiro lugar nas pesquisas de intenção de voto, os eleitores talvez estejam dando um recado aos políticos locais. Um recado do tipo: “Não queremos os candidatos tradicionais”. Ou seja, aqueles que usam a prefeitura para se enriquecer, e não para favorecer a maioria da população. Portanto, a força pode não ser exatamente de Belelli, e sim de um eleitorado das brigas paroquiais entre os grupos do prefeito Evandro Magal (Progressistas) — visto como o espertalhão que ilude todo mundo — e da deputada federal Magda Mofatto (PL), que pode ser vista como a “milionária” que não se contenta em ser dona de vários hotéis e, por isso, quer ser dona da cidade. A respeita da parlamentar e empresária há algo de positivo a dizer: não há notícia de quem assaltado os cofres da prefeitura e seu patrimônio foi constituído, ao longo dos anos, graças ao seu trabalho.

Kleber Marra, pré-candidato à Prefeitura de Caldas Novas / Foto: Divulgação

O fato é que, de alguma maneira, ao postar Belelli no pelotão da frente, como principal líder, os eleitores estão sugerindo que há alguma insatisfação com os políticos locais, vistos como figuras tradicionais que, no fundo, não querem mudança. Ou melhor, só querem mudar os líderes que estão no poder.

Porém, se Belelli continuar avaliando que seu franco favoritismo decorre unicamente de suas posições fortes contra a corrupção e crime, e não de uma insatisfação dos eleitores, pode acabar perdendo para um candidato que fizer uma campanha mais articuladas e com ideias para beneficiar exatamente tais eleitores que não estão contentes com, sim, todos, ou quase todos.

Flávio Canedo: pré-candidato pelo PL | Foto: Facebook

Percebe-se que a frente de Belelli está diminuindo. Por quê? Porque candidatos mais moderados estão se apresentado e começam a mostrar suas ideias para gerir Caldas Novas. Depois de Evandro Magal, o furacão que arrasou o município, desmoralizado o setor público, levando às páginas policiais, os eleitores querem um político que seja gestor e, ao mesmo tempo, lide com retidão com os recursos públicos.

O empresário Kleber Marra, do Republicanos, começou lá embaixo, desacreditado, mas, aos poucos, foi subindo e hoje ameaça a liderança de Belelli. Porque parece ter percebido que, de alguma maneira, a polarização em Caldas Novas não é necessariamente contra Belelli, e sim contra o atraso e a má gestão dos políticos locais, como Evandro Magal. O que os eleitores querem não é exatamente uma alternativa ao militar, e sim aos que estão administrando, ou “desadministrando”, o município há vários anos. Kleber Marra talvez esteja crescendo porque está começando a chegar, com seu discurso moderado e pragmático, a tais eleitores.

Joaquim Guilherme Filho: pré-candidato a prefeito pelo DEM | Foto: Reprodução

O empresário Flávio Canedo (PL) começou a polarizar com Belelli, de maneira radical, esquecendo-se que, num primeiro momento, tem de superar Kleber Marra. O forte de Canedo é a estrutura político-eleitoral que terá para disputar a prefeitura. Nenhum outro terá igual. A estrutura poderá ser o diferencial. Entretanto, ao fazer a crítica de Belelli — inclusive no plano pessoal —, não perceber que a crítica tem de ser feita aos métodos antigos de gestão da cidade. Claro, Evandro Magal não é candidato, portanto não é alvo político. Mas o que os eleitores querem remover do poder é o “estilo Magal” — fisiológico, rei dos processos — de ser fazer político. O combate a Belelli, se excessivo, longe de prejudicá-lo, pode até ajudá-lo. Porque ele pode ficar com a imagem de “diferente” — aquele em que toda a elite da cidade “bate”. Pode até virar “vítima”.

Evandro Magal: eleitores querem o fim de seu estilo de governar | Foto: Reprodução.

O melhor caminho de Flávio Canedo, no lugar de criticar os adversários de maneira acerba, é se apresentar melhor aos eleitores. Tem de cristalizar a imagem de gestor, de empresário que, uma vez na política, fará a diferença para melhorar a cidade. Seu vice tende a ser o médico João Osório (MDB), que, até poucos dias, andava junto Evandro Magal para cima e para baixo (com alto faturamento financeiro, evidentemente legal, na prefeitura). Pode ser positivo eleitoralmente? Até pode. Mas João Osório pertence àquele estrutura, a de Magal, que os eleitores querem, por intermédio do voto, eliminar.

O médico Joaquim Guilherme Filho (DEM) é um político jovem e decente. Mas a pedra no seu caminho pode ser exatamente a aliança com Evandro Magal. O prefeito é a montanha de incapacidade e ilegalidades que os eleitores querem remover da política de Caldas Novas. Os desmandos são tantos que se pode dizer que, na prática, Magal é o criador de Belelli — o crítico radical, que, espertamente, não quer o apoio do prefeito.

Há outros postulantes, como Evandro da Cruz, do Pros, Sílio Junqueira, e José Araújo.

Compartilhe essa notícia

Comentários