Notícias

Entrevista com Helson Barbosa (Caçula), pré-candidato a reeleição para vereador de Catalão

Entrevista com Helson Barbosa (Caçula), pré-candidato a reeleição para vereador de Catalão

access_time 3 semanas ago

O Jornal Últimos Acontecimentos apresenta o Projeto “Entrevista com pré-candidatos”, que traz como ideia central, uma breve conversa com os pré-candidatos que desejam pleitear uma vaga no legislativo da cidade. O objetivo dos questionamentos é começar a mostrar a população quem são e o que fazem os propensos postulantes ao cargo de vereador nas eleições municipais de 2020, e assim, proporcionar mais conhecimento aos eleitores, os grandes responsáveis por eleger nossos representantes.

Está há três anos e meio na política. Filiado ao partido político MDB e foi candidato a vereador pela primeira vez, sendo eleito com 1.618 votos, para a legislatura 2017/2020. Para conhecer resumidamente, o que pensa o pré-candidato, acompanhe a seguir a Entrevista.

 

O senhor é vereador no município, qual seu propósito, enquanto pré-candidato a reeleição?

Em 2016 quando resolvi ser candidato ao cargo de vereador, falava para as pessoas que se fosse eleito, seria a voz de cada cidadão no Legislativo e isso parecia mais uma promessa de mais um candidato. Hoje, quase quatro anos depois tenho mostrado para as pessoas que é possível fazer parte da política e manter seus princípios, ter posição e defender os interesses dos cidadãos e este é o meu propósito como pré-candidato a reeleição, mantendo firma nossas convicções em defesa dos direitos do nosso povo.

 

O que não foi possível realizar nesse mandato, que o senhor gostaria de concretizar, caso seja reeleito?

Vereador não faz por não ter a caneta, mas, buscamos junto ao Poder Executivo os benefícios para os bairros, zona rural e distritos. No início do nosso mandato, algumas pessoas diziam que se não fossem “aliado” ao prefeito, não conseguiria nada, que outros vereadores em outros mandatos também fizeram assim e não foram reeleitos. Estou ciente que ser reeleito é uma consequência do seu trabalho e que só sabemos do resultado no dia da eleição. Por isso, temos feito um intenso trabalho de fiscalização aos atos do executivo, que é talvez a maior atribuição de um vereador, temos apoiado várias ações na área do esporte, no social e no fortalecimento da base familiar para que possamos ter uma sociedade mais justa e sem graves problemas sociais. Com relação aos Projetos de Lei, apresentei vários, alguns foram já aprovados e sancionados, outros ainda estão em tramitação, mas também sabemos que no Legislativo isso é comum quando você propõe algum Projeto de Lei é necessário um “jogo de cintura” para convencer a maioria sobre a importância daquela propositura e isso leva tempo.

 

Ao ter passado pelo legislativo sua visão de política permanece a mesma? Se não, o que mudou?

Sim. A maioria das pessoas tem uma visão da política de fora dela, quando você ocupa um cargo público por meio de um processo político eleitoral, sua visão muda com relação a sua maneira de pensar. A política é a arte do diálogo e é no debate das ideias que as coisas acontecem. Muitas pessoas dizem: “Se eu fosse um vereador faria assim ou assado, realizaria esse projeto” e quem está na política sabe que tudo ocorre em torno das discussões e debates e que isso às vezes leva algum tempo para ser concretizado.

 

Como será sua atuação no legislativo local, caso seja reeleito?

Temos que sempre buscar melhorar alguma coisa, mas no caso de ser vereador, manterei sempre a disposição para fiscalizar o uso dos recursos públicos, apresentando Projetos de Lei que de fato, se aprovados e sancionados trarão benefícios reais a população e sendo sempre uma voz em defesa das pessoas, em especial, daqueles que mais sofrem com a ausência do puder público.

 

Em sua opinião, quais adjetivos deve ter um pré-candidato ao legislativo?

Em qualquer atividade que você desenvolve, primeiro você deve gostar do que faz. Um vereador é o político mais próximo da população, é ele que deve estar no dia a dia com as pessoas e se ele não gostar do que faz e das pessoas, ele está no lugar errado.

 

Qual sua avaliação com relação ao legislativo municipal neste último pleito?

Se olharmos para o lado dos benefícios e melhorias que o município tem alcançado nesta gestão, podemos dizer que tem sido positivo a atuação do legislativo; no entanto, sabemos também que o Poder Legislativo pode e tem condições de ser o “ator principal” e não apenas um coadjuvante no processo de desenvolvimento da cidade. Prova disso, é a questão da votação da Emenda Impositiva (A Emenda Impositiva é o instrumento pelo qual os vereadores podem apresentar emendas à Lei Orçamentária Anual (LOA) destinando recursos do Município para determinadas obras, projetos ou instituições) que deveríamos ter aprovada no ano passado, e esse ano de 2020, poderíamos está deixando um legado de todos os vereadores, o que não aconteceu por subserviência (Pessoa que cumpre regras ou ordens de modo humilhante) de alguns parlamentares ao executivo municipal.

 

Para finalizar, que mensagem o sr. deixa para o povo de Catalão?

Como falei anteriormente, o vereador é o político mais próximo da população e também o mais importante no processo de defesa dos interesses da população. Por isso é importante que as pessoas saibam escolher seus representantes. Daqui até o dia da eleição 15 de novembro de 2020, é necessária uma análise criteriosa para que depois não venham ter dificuldades na representatividade no legislativo.

Compartilhe essa notícia

Comentários